Aceleração da prestação jurisdicional em fase de execução.

Justiça poderá bloquear carros para pagamento de dívidasO sistema já funciona no Tocantins e no Distrito Federal. A partir de agora, todos os tribunais brasileiros poderão adotar a medida.

Agora, juízes de todo país terão um instrumento a mais para obrigar o pagamento de dívidas, o bloqueio do carro do devedor. O sistema já funciona no Tocantins e no Distrito Federal e apresenta bons resultados. Mas a partir de terça, todos os tribunais brasileiros, não apenas a Justiça do Trabalho, vão ter acesso a um cadastro nacional de veículos.

Para acessar o cadastro, o juiz precisa ter uma senha. Ao digitar o CPF do sócio ou o número de registro da empresa, ele pode mandar uma ordem para o Detran apreender os carros para pagar uma dívida trabalhista.

“Em dois meses, somente na 4º Vara do Trabalho de Brasília, nós já providenciamos quase 25 bloqueios e, não digo todos, mas a grande maioria com extremo sucesso,” garante o juiz Denilson Bandeira Coelho.

Um cliente do advogado Jomar Moreno foi um dos beneficiados. Durante mais de um ano ele tentou, sem sucesso, receber de uma construtora uma dívida trabalhista. Bastou a justiça bloquear dois carros da empresa para o cliente dele conseguir o dinheiro.

“Quando ocorre uma ameaça de penhora, a empresa procura ou pagar o processo ou procurar o trabalhador para tentar fazer um acordo,” explica o advogado.

Sistema

O Sistema Renajud é resultado de um acordo de cooperação técnica firmado entre o CNJ e os Ministérios das Cidades e da Justiça, órgãos reponsáveis pelo desenvolvimento da ferramenta, juntamente com o Serviço Federal de Processamento de Dados ( Serpro).O projeto piloto do Renajud está funcionando desde maio no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região, que abrange o Distrito Federal e Tocantins.

Vantagens

Entre as vantagens do Renajud estão a economia e a celeridade. Em segundos, o magistrado poderá identificar a propriedade de um veículo, saber da existência de outras restrições e efetivar, pela internet, ordens judiciais necessárias à solução do processo, tudo com rapidez e segurança. Para o Judiciário, a vantagem é evitar o desperdício de tempo e dinheiro na expedição de ofícios em papel e acelerar o trabalho dos departamentos de trânsito (Detrans) que deixarão de mobilizar seus agentes para atender ordens judiciais em papel. Para a sociedade, é a garantia de um serviço judicial mais rápido e efetivo.

O Renajud complementará o rol de ferramentas desenvolvidas com o objetivo de garantir maior efetividade às execuções judiciais, como as que possibilitam o bloqueio de valores em instituições financeiras e o acesso de dados da Receita Federal, inclusive declaração de bens (Infojud).

Elogios

Para o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), esse novo instrumento será importante principalmente para as varas de família e os juizados de pequena causa.

“Acredito que finalmente o judiciário está utilizando as ferramentas tecnológicas ou a tecnologia a seu favor e buscando sobretudo fechar o cerco contra os maus pagadores no brasil”, diz Rubens Curado, juiz auxiliar da presidência do CNJ.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, também elogia a medida. “Esse mecanismo vai, realmente, acelerar a prestação jurisdicional naquilo que ela tem de mais evidente, de mais concreto, que é a sua execução, sua conclusão,” diz ele.


Mallmann

Filipe Pereira Mallmann Apaixonado pelo direito e aficionado por novas tecnologias. Para ler mais artigos de Mallmann, . Redes Sociais: Google + · Facebook · Twitter

9 comentários

Arthurius Maximus · 2 de setembro de 2008 às 1:35 AM

Até porquenada mais justo do que impedir que picaretas burlem a penhora e o pagamento de condenações alegando não terem recursos enquanto andam por aí em carrões importados.

Mallmann · 2 de setembro de 2008 às 10:19 AM

É sim Arthurius.

Realmente, uma revolução para quem está, talvez há anos, tentando executar uma sentença quase inexecutável, em função da legislação vigente.

Ponto positivo para o judiciário.

Paulao · 3 de setembro de 2008 às 5:57 PM

shiiiiiiiiii ……o negócio ta pegando

barth · 5 de setembro de 2008 às 3:15 PM

O negócio tem que pegar mesmo. Muita picaretagem por ai… Não pagou, recolhe…

Mallmann · 13 de setembro de 2008 às 1:41 PM

rsrsrsrsrs, é isso aí.

gerson · 10 de dezembro de 2010 às 11:08 PM

olá podem me ajudar? comprei um carro de um cara q eu conhecia, passei 1 ano sem passar o carro pro meu nome. quando eu foi passar pro meu nome, paguei as taxas, fiz vistória tudo certinho mas na hora de receber o documento descobri q o carro tava bloqueado pela justiça de uma divida do ex dono de 4 meses atraz, sendo q eu comprei o carro a 1 ano atrz, mas não tenho recido de compra e venda, mas o recibo do carro ta assindado e autenticado em cartório pelo ex dono. o q eu devo fazer obg!!!

mallmann no diHITT · 2 de setembro de 2008 às 1:00 AM

Justiça poderá bloquear carros para pagamento de dívidas…

Aceleração da prestação jurisdicional em fase de execução, usando agora o bloqueio de veículos para a solução do processo….

www.digga.com.br · 2 de setembro de 2008 às 1:32 PM

Justiça poderá bloquear carros para pagamento de dívidas…

Aceleração da prestação jurisdicional em fase de execução.

Justiça poderá bloquear carros para pagamento de dívidasO sistema já funciona no Tocantins e no Distrito Federal. A partir de agora, todos os tribunais brasileiros poderão adotar a …

Alvará de folha corrida gratuito direto do site do TJRS | Bastidores do Direito · 11 de setembro de 2008 às 10:20 PM

[…] Justiça poderá bloquear carros para pagamento de dívidas […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *