Brasília – O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, qualificou hoje (16) o ataque com armas químicas na Síria como “crime de guerra”. O secretário, no entanto, não atribuiu responsabilidades. Ban Ki-moon exigiu que os responsáveis – não identificados por ele – “prestem contas” pelo que fizeram e frisou que o Conselho de Segurança tem a “responsabilidade moral” de não deixar passar em branco esta violação dos direitos humanos.

“Os resultados [do inquérito feito por inspetores da ONU] são indiscutíveis e esmagadores. Os fatos falam por si”, enfatizou, recordando que esta é a maior utilização de armas químicas contra civis, desde que o regime do ditador iraquiano Saddam Hussein as usou, em 1988.

“Agora, a unidade do Conselho de Segurança será crucial. Dada a gravidade da situação, insisto que o Conselho deve considerar vias que garantam o cumprimento do plano [de desarmamento da Síria], por meio de uma resolução clara”, disse.

Os Estados Unidos e a Rússia fizeram um acordo para a suspensão de uma intervenção militar contra a Síria, rejeitada por Moscou, dando prazo ao regime de Bashar Al Assad para entregar o arsenal químico à comunidade internacional.

O secretário-geral da ONU sustentou que o eventual descumprimento por parte do regime de Damasco deve ter “consequências”. Os inspetores das Nações Unidas concluíram que existem provas “claras e convincentes” do uso de armas químicas, que têm sido usadas “numa escala relativamente grande”.

O relatório dos inspetores das Nações Unidas nada diz sobre os responsáveis pelo ataque, mas este não é um caso isolado, já que a comissão da ONU sobre as violações de direitos humanos na Síria anunciou o início de investigação de outros supostos 14 ataques químicos, registrados desde setembro de 2011.

O conflito na Síria – em que a contestação popular ao regime deflagrou uma guerra civil – causou mais de 110 mil mortes e fez dois milhões de refugiados, de acordo com as Nações Unidas.

FONTE: AGÊNCIA BRASIL


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *