Resenha – Ônibus 174

A obra impressiona pela estrutura adotada pelo diretor, abordando o fato e complementando com uma história paralela onde mostra a origem de Sandro do Nascimento, através de comentários de amigos. O espectador não se prende ao ponto de vista tradicional, o qual quem está com a arma na mão e mal vestido é o bandido.

Resenha - Ônibus 174Analisando os fatos apresentados pelo filme, sociólogos, jornalistas, peritos, policiais e as próprias vítimas de Sandro enriquecem o documentário.

Nos primeiros minutos de filme, o primeiro pensamento que aflora na mente é: “Cadê o atirador de elite, onde está o atirador que com apenas um toque no gatilho poderia espalhar o cérebro desse marginal por todo o vidro do ônibus?”. Entretanto, com o desenrolar da trama, a cena toma outra forma. Nota-se que Sandro é dono de um perfil pouco agressivo, quieto, e que apenas busca ser reconhecido como ser humano. Teve uma vida normal por pouco tempo, até que presenciou a morte de sua mãe a facadas. Em seguida foi morar na rua, sendo um dos sobreviventes da chacina da Candelária.

Passou a roubar para comprar cocaína, e usar cocaína para roubar. Foi internado em instituição própria para menores infratores e posteriormente preso.

De outro lado, aponta a banalização da violência no trecho em que a estagiária, em meio ao acontecimento, pensando ser um “simples assalto”, liga para a empresa para avisar que vai se atrasar, mas que em breve estaria lá. Passamos a assumir como natural este tipo de doença social, nos comportando como se fosse algo normal, esperado, corriqueiro.

Resenha - Ônibus 174

Examinando o filme sem se revestir de parte, se despindo de qualquer falso moralismo, fica fácil reconhecer a parcela de culpa que o Estado e nós, como sociedade, temos no tocante à violência. É simples entender o porquê da raiva desses cidadãos sem pátria. O Estado prontamente cuida para que quem caia em sua custódia, nas instituições correcionais para menores infratores, presídios ou cadeias, seja humilhado, e tratado como se lixo fosse, não tendo respeitados os seus direitos e garantias fundamentais.

Sandro queria muito ser reconhecido, e acabou conseguindo. O filme demonstra claramente o fenômeno da invisibilidade social. A sociedade se nega a ver indivíduos todos os dias. Sandro era um desses, até que resolveu impor a sua vontade de ser notado. A situação se inverte, e todo o país quer ver Sandro. Agora, é ele quem dá as cartas. Ele é o protagonista e diretor de um filme que consiste na vingança do mocinho contra o vilão, a sociedade. A mesma que o achincalhou a sua vida inteira e nunca lhe dera a mínima importância encontra-se diante de Sandro, atenta aos seus menores gestos.

De outra banda, aborda o sucateamento do Estado, unido a interesses estatais escusos. Durante todo o incidente, a polícia teve inúmeras chances de eliminar Sandro, no entanto, alguém ao telefone não autorizava. Ao fim, quando o episódio estava por se encerrar, o policial herói entra em ação. Ouve-se, ao todo, quatro disparos e o povo, que em volta acompanhava, vibra. Enfim, o câncer foi eliminado.

Porém, o que se apura posteriormente, é que o policial herói, na tentativa infundada de eliminar Sandro, uma vez que este logo seria rendido, dispara um tiro contra o rosto da professora Geisa, refém de Sandro. Este desfere três tiros nas costas de Geisa, que vem a falecer.
Incrivelmente Sandro sai ileso do episódio. Contudo, os competentíssimos policiais, na condução deste até a delegacia, tiveram que aplicar uma manobra de asfixia em Sandro, que veio a falecer por conta disto.

E agora, resta a crítica ao Estado Polícia, não por ter matado Sandro do Nascimento, a despeito da existência de pena de morte ou não, mas sim por tê-lo eliminado tão somente após a morte de um dos seus reféns, já que houveram tantas outras chances, ao longo do episódio. Os próprios policiais confirmaram que o procedimento correto seria, em havendo possibilidade, eliminar o agente do evento danos, para que se poupasse a vida dos demais. Por que não seguiram o procedimento padrão? Seria preocupação com a imprensa? Haveria algum outro motivo? Não se sabe, pois os policiais que fizeram suas declarações para este filme se abstiveram de comentar sobre este assunto, em específico.

A situação, posta como estava, Geisa morta e Sandro do Nascimento dominado, não havia razão para eliminá-lo. E é neste trecho que ressalvamos: no Brasil não há previsão legal para a pena de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do artigo 84, XIX, da Constituição Federal, o que não era o caso.

O filme retrata claramente um câncer social, o qual a sociedade tenta esconder, e esquecer que existe. Se esta doença não for tratada em sua fase inicial, dificilmente será combatida em sua fase terminal, e certamente levará inocentes consigo. A vida do bandido, como costumamos nos referir no meio social a este, é curta, e acaba rápido, dentro de um caixão. Mas e os que este corrompe e aniquila até o seu fim, como ficam?

Sandro, assim como muitos outros, é produto da sociedade como um todo. A sociedade que engloba nós, como cidadãos, e o Estado, e cabe a esta mesma sociedade tratá-lo.

14 thoughts on “Resenha – Ônibus 174

  1. De enorme criticidade! Texto muito bom e que trabalha com desconstruções do senso comum. Quem na época não gritou pela morte de Sandro(negro, pobre, desdentado- a maior vítima!!). É muito fácil conceituarmos as coisas de uma maneira superficial- acredito que análises desse tipo são superficiais-isso é o bem aquilo é o mal e o conteúdo da resenha rompe com essa falta de posicionamento círtico.

  2. Gostei…mostra q esses “SANDROS” só precisam de atençao a menor q seja!
    jah salvaria um deles…eles só kerem o lugar deles na SOCIEDADE que faz com que eles sejam melhores…

  3. vi o filme recentemente e fiquei muito comovida com a história de Sandro do Nascimento.Um menino pobre de carinho,base familiar e sem pespectivas de uma vida melhor.Pena! que não temos o poder de salvar essas pessoas.

  4. Assistindo este documentário a única coisa que eu penso é, o que podemos( nós sociedade ) fazer por estes outros Sandros ?

  5. Infelizmente situações similares acontecem com frequencia em vários cantos do país, é triste saber que algumas pessoas ao se deparar com um trauma, torna-se amargo e vive o restante da sua vida se lamentando e se pondo de vitima em toda e qualquer situação. Na vida temos e devemos ter uma postura de merecedores e vitoriosos, buscar o melhor para nós. Descontar a fatalidade ocorrida consigo em outros, seria como tentar castigar o próximo pelo que te aconteceu, dividir o sofrimento… O melhor e mais saudável é olhar para a frente, sacudir a poeira… e batalhar … fazer as coisas futuras acontecerem boas como deveria acontecer para todos.

  6. Adorei o filme.Demonstra as diversidades sociais de um país tão rico.Podemos analisar a tão fantasiosa frase da nossa constituição de que todos são iguais perante a lei. A lei onde o mais pobre é sempre prejudicado, a total irresponsabilidade de nossos governantes em buscar soluções para desenvolver o meio social, ao invés de investirem tanto no seu próprio bolso. É vergonhosa a atitude feita pela sociedade de fechar os olhos perante essas ações e lamentavelmente a ação feita por policias despreparados no momento onde a vida de uma inocente foi tirada por total incompetência da polícia.Acredito que apartir do momento que esses assaltos levasse a consequências sérias alquém de notável poder ao invés de uma inocente de classe baixa , atitudes mais sérias seriam tomodas e a responsabilidade seria maior por parte de toda a sociedade. No momento onde o câncer social não atingir a classe dominante nada ou muito pouco será feito em relação a esta situação. Cabe a sociedade organizada como um todo cobrar mais de nossos governantes,diminuir seus salários absurdos e investir mais na educação do povo brasileiro, que é quem realmente trabalha e paga os impostos para que se tornem as vítimas dessa situação.Pagar para ver acontecer isso. Onde estão nossos governantes?andando de ônibus?nos bairros simples?Vivendo no luxo as custas de quem? que soceidade tão injusta.O povo terá que se acordar, ou então será necessário que se estabeleça uma revolução civil por parte da sociedade menos favorecida para ver se diminui as desiguldades existentes.

  7. Eu achei muito bom… mostra como é o preconceito das
    pessoas com esse tipo de ser humano muitas vezes por
    que não tem condiçoes financeira,muitas vezes as pessoas
    finge que nen vê

  8. É lamentável que essa história tenha acabado assim: morreu um inocente , e o culpado ao invés de pagar pelo que fez, foi morto de forma covarde.Pena que a sociedade é hipócrita o bastante para só julgar aquilo que está contra ela, se condenam a morte, porque matar? A verdade é que ninguém olha pra pessoa que não teve oportunidade; depois daquela chacina , as crianças no mínimo mereciam um apoio. Foram 4 ou 5 ” policiais ” para matá-lo ( sandro ) , mas bastava só um para mudar sua vida.( ele não precisava de atenção, precisava de oportunidade)

  9. Achei tudo isso puro sensacionalismo! Não vejo nenhum culpado e tambem nenhum inocente nesta historia, Sandro foi um de muitos meninos de rua que começaram a roubar, mas cada caso é um caso, ele teve uma vida triste e não gostava de matar pessoas, por isso foi idolatrado nesse caso, mas o que explica os meninos que viraram criminosos covardes que matam friamente e sentem prazer por isto, e meninos que tiveram todas as oportunidades na vida e seguiram este caminho, pra mim nada justifica uma pessoa ser criminosa, dizem que é culpa da sociedade que não da atenção a pessoas que nao tiveram oportunidades, voces que pensam assim, porque não levam um desses criminosos para sua casa? resolveria o problema?
    obs: Sandro encontrou uma “mae adotiva” disse que iria mudar de vida… isso não seria uma oportunidade jogada fora?

  10. Eu assisti para fazer um trabalho de escola, pensei que por ser um documentário seria chato. Mas eu estava enganada, eu gostei muito.
    Abriu a minha visão de mundo.

  11. I was proposed this web site by my relation. I am just do not specific whether or not this send is definitely written by technique for the pup because nobody else recognize this kind of specified about my personal problem. You might be wonderful! Thank you so much!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>