O deputado federal Zé Geraldo (PT-PA) atacou nesta quinta-feira (6) a médica cubana Ramona Matos Rodriguez, que deixou o programa Mais Médicos no último sábado (1º). Na tribuna da Câmara, o petista disse que a estrangeira “não faz falta” em Pacajá, onde trabalhava, e que ela teria sido vista “embriagada” na cidade.
Ramona Rodriguez diz ter fugido de Pacajá no último sábado (1º) depois de descobrir que outros médicos estrangeiros contratados para trabalhar no Brasil ganhavam R$ 10 mil por mês, enquanto os cubanos recebem, segundo ela, recebem US$ 400 (cerca de R$ 965). Ela disse ter se sentido “enganada” pelo governo cubano e disse que só soube do salárias dias antes da viagem.
O deputado Zé Geraldo, que diz ter “atuação parlamentar” na cidade, disse que Ramona “foi vista várias vezes totalmente embriagada, a ponto de que nem seus colegas cubanos querem ela mais lá”. O deputado não mencionou nomes de quem teria visto a médica assim.
É bom que ela volte para o seu país”
Zé Geraldo (PT-PA)
O petista ainda disse que Pacajá “não quer essa médica lá” e que “ela não se enquadra”. “É bom que ela volte para o seu país de origem, porque ela não tem condições prestar serviço médico aqui no Brasil”, disse.
O deputado disse ter em mãos uma nota do presidente do Conselho de Saúde de Pacajá com críticas à médica. “Os deputados de oposição, que a receberam em seu apartamento aqui em Brasília, podem fazer uma vaquinha, pagar um salário para ela, e podem levá-la para onde quiser”.
Nesta quinta, Ramona Rodriguez disse que pedirá à Justiça trabalhista indenização por danos morais e para receber a diferença do salário de R$ 10 mil oferecido pelo governo brasileiro que, segundo a médica, não foi pago a ela durante os quatro meses em que trabalhou no país.
Com ajuda do DEM, a médica também protocolou no Ministério da Justiça pedido de refúgio no Brasil, alegando ter medo de voltar a Cuba.

FONTE: GLOBO.COM G1


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *